segunda-feira, 20 de junho de 2011

A necessidade metafísica

Claro que para uma análise mais detalhada de um capítulo denso como esse que trata do problema da existência das coisas, precisaríamos de muito mais linhas.

Resumirei entretanto minha impressão:

Em primeiríssimo lugar, FS descarta a a-racionalidade1 da questão. E isso é um erro. Questões de fé são resolvidas no âmbito da fé. Ainda que se use a porta da razão para entrar ou sair delas, o nó só se desfará na sala da fé. Fé no sentido mais puro não implica em razão. Não, porque se falarmos de razão, então poderemos descartar o termo fé. A fé vem até mesmo suportar a razão, e é isso que FS faz. Baseado em sua fé ele apresentará as suas razões (que não podem ser tidas como universais).

Nosso mais corriqueiro erro está em achar que a razão sustenta a fé, enquanto que o contrário é que é verdadeiro.

Baseado na fé de um Deus triúno e pessoal Schaeffer irá apresentar suas razões, que são desdobramentos dessa fé – o caminho inverso sempre será traiçoeiro. Eis o problema da apologética: pretende-se baseado na razão chegar a postulados de fé. O resultado sempre é hilariante senão trágico.

Só posso, na verdade afirmar, que existem coisas que não se enquadram no âmbito racional, pois essa é minha fé. Acho que foi Kant quem deu a última cartada nas pretensões racionalistas.

O segundo ponto irá evidentemente perder força se descarto uma urgência racional. Quando FS afirma que existem três respostas possíveis para a existência das coisas, surgiram do nada, de algo impessoal ou de alguém. A força do argumento vai embora quando pensamos que essa existência das coisas está no campo da fé e não da razão, e não adianta o quanto nossa razão se esperneie, sempre poderá haver um contra argumento baseado naquilo que se crê.

Assim para mim o nada pode muito bem representar o Deus infinito, que não se compara a nada do que foi criado. O espírito se assemelha muito mais ao ar, ao vento, do que a uma pedra. A algo invisível, do que a algo concreto.

O problema persiste se digo que o universo surgiu de algo ou alguém. Pois paira a pergunta tão comum às crianças: Mas quem então criou esse algo ou alguém? De que Deus é feito?

Para nós que cremos (e isso é uma questão de fé) está claro que as coisas, o mundo foi criado. O Criador não foi criado. Mas para um incrédulo, até não aceitar esse postulado, e isso se dá via fé – ficará uma questão ou outra. Mas de onde surgiu esse seu Deus: do nada, de algo ou de alguém?

A outra questão que pode ficar (e FS nem sequer aborda isso) é que tudo tenha sempre existido. Não houve um começo. Não existe uma origem. Tanto o pessoal como o impessoal e o movimento se dá em um ciclo eterno.

Os argumentos de Schaeffer se dão baseados nisso e isso não é dito de forma aberta: houve um começo. E logicamente se partirmos da hipótese que houve um começo a pergunta que fica é o que houve antes desse começo. E a resposta lógica acaba sendo Deus, seja lá o que se entenda por Deus.

O outro passo argumentativo de FS está em afirmar então que esse Deus só poderia, logicamente, ser triúno e pessoal. Porque a pessoalidade só poderia se originar de uma suposta pessoalidade divina e a diversidade só poderia vir de uma suposta diversidade divina (que porém una).

Como partilho da mesma fé de FS devo dizer que seus argumentos são fortes. Não posso porém deixar de dizer que me parecem tendenciosos. Pois as perguntas pairariam no patamar da divindade, como então explicar a origem da pessoalidade divina e da diversidade divina.

Transferimos nossas dúvidas para um nível mais resumido, da divindade, do sagrado, e as convertemos em dogmas. Mas não podemos com isso achar que todos os problemas lógicos se resolveram.

1Em contraste ao racional ou irracional.

4 comentários:

Marcos Vital disse...

"Fé no sentido mais puro não implica em razão. Não, porque se falarmos de razão, então poderemos descartar o termo fé."

Me parece haver em seu pensamento a dicotomia que posiciona o pensamento em dois extremos distantes e sem comunicação. Isto, exemplifica a questão dos pólos antagônicos. Se tenho fé, não posso ter razão e, se tenho razão não posso ter fé, estas premissas colocadas no sentido mais corriqueiro possível.

O que nos resta após esses dois extremos? Um método de vida limitado onde não há respostas, um niilismo barato, caso afirmemos a razão ou um fundamentalismo despótico se afirmamos a fé. Desconstruir o pensamento de Schaeefer para voltar a estagnação dos séculos pós-reforma é, indubitavelmente, um lastimável retrocesso. Me parece que a crítica não foi tão fortuita.

Abraço,

Marcos Vital

André disse...

Olá!

Não gosto muito desse negócio de recadinhos em off, mas é justo que você receba um último esclarecimento. Tudo o que eu queria é que você sustentasse com argumentos as afirmações gratuitas que fez por livre vontade no meu blog, dando-lhe, assim, a possibilidade de mostrar que está disposto a algo mais que uma simples provocação. A qualidade de sua argumentação eu já conheço de outros momentos, e o que conheço não me estimula a dedicar tempo ao seu blog. Aliás, rejeito sua insinuação de que minha "descência e hombridade" me obriga a fazer isso. Não tenho nenhuma obrigação nesse sentido, assim como você não tem nenhuma de ler o que escrevo. Mas, se leu e comentou, tenho o direito de exigir que você sustente com argumentos o que declara no meu espaço, se quiser encetar um diálogo. Não fiz nada além disso, de modo que não há injustiça alguma no que eu disse. E, mesmo que houvesse, não haveria razão para você ter medo. Quanto à minha excelência ou não, pense o que julgar mais apropriado.

De qualquer modo, fique à vontade para voltar a comentar por lá quando estiver mais disposto a defender com argumentos as declarações que fizer ali. E, caso veja alguma vantagem mútua em continuar esse papo em off, sugiro que use meu e-mail, que está no meu perfil.

Abraços!

Salviano Adão disse...

MUITO BOM, LINDO BLOG! Eu acredito que Deus criou o homem e deixou o manual de instrução, a “BÍBLIA SAGRADA!” A bíblia é a divina revelação da palavra de Deus e não produtos enlatados, eu costumo dizer que: “As pessoas precisam parar de comer tudo o que dão. E começar a questionar! ” Alguém escuta alguma coisa de alguém, e saem falando, sem questionar, sem saber se é verdade ou não. As pessoas precisam se perguntar! Será que a minha crença esta de acordo com a lei de Deus? Será que a religião que eu nasci sempre me falou a verdade? Quando uma pessoa morre pra onde ela vai? Ela volta? A bíblia apoia o homossexualismo? Quem não herdara o reino de Deus? O que devo saber sobre idolatria, imagens e escultura? O que devo saber sobre o único batismo? Será que tem uma sequência para salvação? A quem eu devo me confessar, quem pode me perdoar? Religião salva alguém? Essas e outras perguntas e respostas em: www.aunicaverdadeemsuapropriabiblia.blogspot.com Você pode dizer, eu já sou salvo amém! Vamos atrás de quem não esta, “Se você quer se dar bem com o mundo seja hipócrita, mas se você quer se dar bem com Deu seja verdadeiro!” divulgue este site, porque : “Eis que vêm dias, diz o Senhor Jeová, em que enviarei fome sobre a terra, não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do Senhor. E irão vagabundos de um mar até outro mar, e do norte até ao oriente; correrão por toda parte, buscando a palavra do Senhor, e não a acharão." ( Amós cap 8 ver 11 e 12 )Fale para outras pessoas, por que “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns têm por tardia: mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se. ”(II Pedro cap. 3 ver 8) e “Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo o homem. (I A Timóteo cap 2 ver 5 e 6) Seja sua bíblia, católica ou evangélica, aqui você vai tirar suas duvidas. www.aunicaverdadeemsuapropriabiblia.blogspot.com E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertara (João cap 8 ver 32) Se você tiver coragem de perguntar, a bíblia terá coragem de responder!

Anônimo disse...

Olá,

Me parecem que suas afirmações não apresentam consubstanciação senão a que reflita a sua própria cosmovisão. Talvez você possa advogar como Freud e decretar a morte de um ser superior, e fazer de suas próprias concepções a máxima instância.
Infelizmente, quer queira ou não a fé não é um salto irracional, mas parte de uma racionalidade bem definida, todavia certamente, não acessível a todos, pela obscuridade ocasional.

abraço,

Jonatas